Total de visualizações de página

quinta-feira

Homossexuais na Igreja ?

Resolvi escrever sobre isso por causa de um caso que me foi trazido, e mesmo sabendo da repercussão do que falarei aqui, não posso deixar muitos a sofrer por causa da igreja evangélica que não consegue entender a questão homossexual à luz do evangelho, mas apenas com os óculos do preconceito e da ignorância.

A igreja não admite a existência (e convivência) com homossexuais. Nem pensar!

Mas o fato é que, a realidade é mais forte do que se imagina.

Existem homossexuais cristãos evangélicos!

Não estou falando da igreja gay. Estou falando da sua igreja!

Choquei alguém? Virei herege? Calma.

Antes que acendam a fogueira, deixem-me explicar. Não quero ser mártir de nada.

A igreja prega que a pessoa que aceita a Jesus tem a vida transformada, é uma nova criatura e portanto, toda velha natureza morreu, e... Bem, temos aquele cara, vamos chamá-lo de João, que era um mulherengo desregrado, não deixava passar nada, e agora, cansado dessa vida, João ouve falar do evangelho e ‘aceita’ Jesus (conforme o modelo evangélico: levanta a mão, vai à frente, recebe uma oração e pimba! Está salvo!).

Daí em diante, esse João é outra pessoa. Não tem mais aquela vida de orgia, não bebe mais, não fuma mais, agora cuida mais dos filhos, ganhou respeito da família e da comunidade, e incluisve já é cotado para assumir alguma posição na igreja.

Acontece que, em dado momento da vida, João percebe que certos desejos às vezes afloram. Desejos que, conforme ele aprendeu, deviam estar mortos, sepultados. Mas vez ou outra ele se perde em seus pensamentos.

Às vezes até na igreja, ao ver aquelas jovens lindas entrando na igreja com suas roupas cada vez mais ligadas ao corpo, mostando suas silhuetas e ele começa a se incomodar com aquilo. Não consegue evitar os pensamentos, mas se entristece com o fato deles ainda existirem.

Tem dia que se uma mulher nua aparecer na frente dele, ele a repreenderá em nome de Jesus. Mas tem dia...que se uma mulher vier vestida com roupa de astronauta, só de olhar pro rostinho dela de dentro da máscara espacial, dá pra imaginar o corpão que ela tem!

Então, pensa logo que é uma fraude, uma mentira. Talvez não tenha sido tão ‘iluminado’ assim. Talvez lhe falta alguma coisa. Pensa até em parar na caminhada. Assumir de vez que é um pecador, e que não conseguiu vencer os desejos.

Cansado, João procura um irmão amigo, e lhe confessa suas culpas, que lhe consumam por dentro. Aqueles desejos inconfessáveis estão agora sendo expurgados, vomitados. Ele precisava se aliviar, como quem quer ir ao banheiro.

O Irmão o ouve e depois, lhe diz o que de fato está acontecendo.

O irmão lhe diz que: Ele tem pulsões carnais, fruto de sua concupisciência, e todos tem suas pulsões, fruto de suas próprias concupisciências, que nos tentam, nos desafiam, nos fazem perceber quem de fato somos.

O que João sente é o que todo mundo sente, cada um na sua, ‘cada qual no seu canto e em cada canto uma dor’.

Esses pensamentos acometem a todos: inveja, ódio, luxúria, mentira, dissenssões, iras, pelejas, disputas, ciúmes, e tudo o que habita no coração do homem ‘ de onde procede todo mal’. O fato de ter ‘aceitado Jesus’ não o faz perder sua humanidade, nem deixar de ter a aguilhão do pecado e da concupisciência ferroando a alma. O espinho na carne. Crer em Jesus, lhe faz saber e conviver com isso, submetendo cada vez mais meu corpo e meus desejos à vontade de Deus, e que cada vez que me encho de oração e da Palavra, essas coisas terão menos poder sobre mim, embora ainda existam em mim. De outra sorte, se me encho de pensamentos impuros, leitura erótica, sites pornográficos, inveja da prosperidade alheia, ódio e ciúme desmedido, estarei inflando e ressuscitando essa múmia que repousa no sarcófago de sua alma.

João ouve o irmão falar-lhe sobre essas coisas e volta feliz pra casa ao saber que não está sozinho nessa jornada. Que irmãos em toda terra passam por problemas menores, iguais e maiores que o dele. E que Deus o ama assim como ele é, pra fazê-lo sempre melhor.

A história de João, nosso personagem fictício, não é fictícia. É a história de muitos Joões e Joanas, gente que lê esse blog, frequenta os cultos de sua igreja, faz sermões maravilhosos, cantam hinos lindos, mas, quando estão sozinhos consigo mesmos, enfrentam suas interrogações, seus pecados interiores e inconfessáveis.

Bem, mas o que isso tem haver com o tema proposto? Explico.

Pecado é pecado. Não estou aqui pra justificar ou despecaminar nada que a Bíblia chame pelo nome de Pecado. Mas não posso fazer diferença de pecado e pecado, em relação ao que Deus pensa sobre ele.

Homossexualismo é pecado. Mentira é pecado. Inveja é Pecado.

Mas quantos mentirosos você conhece e convive na sua igreja? E dos invejosos? E dos avarentos? E dos iracundos? (Galátas 3), porventura isso não é pecado? Sim, mas é um pecado ‘tolerável’, ‘permissível’. “...Fulano prega bem, mas só não acredite em tudo que ele conta, mas ele é uma benção...” foi o que ouvi de certo pregador.

Ora, a igreja seleciona os pecados que deseja punir e os que deseja tolerar.

Então você dirá: vamos então a caça às bruxas! Vamos excomungar todos os que tem esses sintomas. Stop!!!!....Então esvaziar-se-á as igrejas! “Se gritar pega ‘ladrão’...não ficar um, meu irmão!”

O que quero dizer é que, se olharmos para a Palavra, não há um justo, nenhum sequer. Leia o livro de Gálatas e veja se você escapa ileso.

Então não se salvará ninguém? Estamos todos perdidos? Não. É por isso que somos salvos pela graça! Não existe ninguém merecedor do céu. Não existe ninguém que agrade a Deus. Não. Somos salvos pela Graça!

Significa entã que posso pecar à vontade e estou salvo? Não! A graça não nos chama pra libertinagem, mas para a liberdade ( leia nesse bolg : LEGALISMO NA IGREJA EVANGÉLICA, sobre a graça)

Agora imagina que outro irmão, vamos chamá-lo de Léo, ao contrário de ser mulherengo fosse homossexual, com alguma ou nenhuma experiência sexual (muitos o são apenas np nivel da alma) E pela mesma experiência viesse até Jesus, e depois se encontrasse em conflito?

Se de vez em quando, logo após aquele culto maravilhoso que ele contou seu testemunho de que fora mudado por Deus, ( porque a igreja adora esse tipo de propaganda) , quando está sozinho sente uma pontada do passado ferroando sua alma?

Então Léo vai a um irmão, que logo, diz a ele que lhe falta transformação, que esse sentimento é motivado por forças malignas, que ele não está totalmente ‘liberto’, que o capeta o está atormentando.

Ora, qual a diferença entre pecado e pecado? Nenhum!

O que muda no máximo são as consequências imediatas de cada pecado. Nada mais. Mas o que fazemos? Escolhemos quais pecados condenar junto com a classe de pecadores que pecam esse tipo de pecado, e quais pecados tolerar com sua classe de pecadores mais digeríveis!.

Ah! Como somos hipócritas!

Existe gente de Deus, séria, salva em Jesus pela graça mediante a fé, que tem as mais variadas concupisciências que afloram nos momentos de fraqueza, e que não são menos merecedoras do céu do que você ou eu!

Não estou justificando o homossexualismo. Não. Jamais. Homossexualismo, como todos os ‘ismos’ desse mundo é uma tentativa fazer modelos, e nesse caso, de parecer normal e aceitável sua conduta repreensível.

Daí surge a PL 122 que tenta criminalizar quem pensa diferente deles. De jeito nenhum!

Eles procedam da forma que quizerem, mas não podem fazer calar quem pensa de forma diferente.

De igual modo repudio qualquer ‘igreja de homossexuais’, imagina depois uma ‘igreja de mentirosos’, ‘igreja de avarentos’?

Não dá pra ficar aglomerando as pessoas pelas sua concupisciências, que embora naturais quanto à carne, devem ser mortificadas no Espirito.

O que estou defendendo é que, existem milhares de irmãos e irmãs, sinceros, que padecem disso em nossas igrejas, e sofrem, por acharem que são os piores pecadores da terra! Que lutam, oram, jejuam e não conseguem se ‘libertar’ desse ‘mal’.

Agora pense nisso. Reflita e veja se não estou falando a realidade. Não busco aqui nesse espaço a unanimidade, jamais! Mas falo com minha consciência acerca do evangelho.

Mas qual a origem dessa inclinação? É o diabo? É a carne?

Ora, a natureza humana é caída.

Alguns cristãos se gabam por não padecer daquela ou desta concupisciência, como se a sua fosse melhor que a do outro. Parece brincadeira: “o meu pecado é melhor que o teu”. Somos todos pecadores e carecemos da graça de Deus!

Do pastor ao bebum, não se salva nenhum, sem a graça de Deus!

E Jesus disse que muitos ladrões e prostitutas estão entrando primeiro no reino, que muita gente com pedigree religioso!

Sei que muita gente vai arrumar mil argumentos para tentar negar o que digo aqui, e outros me danarão por dizer o que digo, (ainda bem que o céu não pertence a eles) porém, não estou aqui filosofando, estou partindo de uma simples e sofrida constatação.

É tão simples!

Estou aqui pra dizer pra essa gente boa de Deus o seguinte:

Continuem firmes, não se entreguem ao pecado, mas também não sofram e nem orem por isso, apenas creiam na Palavra, e saibam que assim como eu posso ser ‘tocado’ ao olhar uma mulher interessante, não sou melhor nem pior que vocês que sofrem com seus sentimentos.

Apenas submetam-se à Palavra. Mantenham a fé.

Lidem com a verdade, e consciência será aliviada.

Não pensem que não são libertos. Pois sob este ângulo que defendo aqui, ninguém o é!

Somos libertos quanto à escravidão do pecado e suas consequencias eternas.

Permaneçam na abstinência sexual ilícita.

Se solteiros não se casem a fim de ‘curar-se’.

Se casados, não padeçam sozinhos, como se ‘enganassem a quem vocês amam”, saibam, existem muitos iguais a vocês passando essas mesmas tribulações.

Cada um na sua, com suas concupisciências, somos todos iguais.

Não dá mais pra tapar o sol com a peneira! É a hora de trazer tudo à Luz !!!

Moisés Almeida

10 comentários:

Hemerson Lopes disse...

Gostaria de saber sobre esse negócio ai de acender vela e dessa medalha. Pois estava lendo os seus texto e vi que vc é totalmente contrário a essas práticas. Que isso acender vela e colocar uma medalha no pescoço isso é ridiculo. Quem crê em Deus não necessita deste amuletos para se proteger não. ELE somente ELE é a nos força.

Moises Almeida disse...

Caro Hemerson, na verdade isso são propagandas no blog, pelas quais eu não ganho nada e vou retirá-las. Obrigado pela observação, não tinha notado até então. Fique na Paz.

Josi disse...

¡Hola genial!

¡Felicidades!¡Congrulations! Me ha gustado mucho tu blog y es positivo, mucho ánimo.

Mi blog es:

http://sordobierzo.blogspot.com/

Muchas gracias.

Un saludo

joven disse...

beautiful blog..pls visit mine and be a follower.. thanks and God bless..

http://forlots.blogspot.com/

Délio Visterine disse...

Moises, entendi o que vc escreveu. Porém a prática de não se aceitar o homossexual nas reuniões da igreja se dá principalmente pelo que o Ap. Paulo escreveu em sua carta aos Coríntios: Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais,os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus. Alguns de vocês eram assim. Mas foram lavados do pecado, separados para pertencer a Deus e aceitos por ele por meio do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus." Como entender o pensamento de Paulo sem dar lugar a libertinagem?

duda disse...

que bom saber que ha pessoas sensatas nesse meio

Maria disse...

A questão do homossexualismo é bastante complexa, mas, jamais condenatória, uma vez que somos incapazes de compreender essa realidade se não convivermos em amor. Muitas são as dificuldades que eles passam, fruto principalmente da rejeição natural dos seres humanos.Quando são reincidentes nos atos homossexuais, são condenados na igreja, como se não fossem capazes de ser crentes. Por causa disso, preferem ficar fora dela, onde encontram a verdadeira aceitação, entre os seus semelhantes.
Na verdade, nós deveríamos ser os seus semelhantes, aqueles que são parecidos naquilo que eles têm de forte: desejo de caminhar para Deus, a partir da Graça e não dos seus méritos pessoais. Quando vamos compreender isso? Quando vamos ser companheiros nesta dificil jornada? Quando vamos ser capazes de abraçar, de receber, de envolver, de orar por eles? Só o Amor liberta; só o verdadeiro Amor, dos que estão em Cristo Jesus e aprendem a amar como Ele amou. Vale a pena lembrar a parábola do Bom Samaritano.

Maria disse...

A questão do homossexualismo é bastante complexa, mas, jamais condenatória, uma vez que somos incapazes de compreender essa realidade se não convivermos em amor. Muitas são as dificuldades que eles passam, fruto principalmente da rejeição natural dos seres humanos.Quando são reincidentes nos atos homossexuais, são condenados na igreja, como se não fossem capazes de ser crentes. Por causa disso, preferem ficar fora dela, onde encontram a verdadeira aceitação, entre os seus semelhantes.
Na verdade, nós deveríamos ser os seus semelhantes, aqueles que são parecidos naquilo que eles têm de forte: desejo de caminhar para Deus, a partir da Graça e não dos seus méritos pessoais. Quando vamos compreender isso? Quando vamos ser companheiros nesta dificil jornada? Quando vamos ser capazes de abraçar, de receber, de envolver, de orar por eles? Só o Amor liberta; só o verdadeiro Amor, dos que estão em Cristo Jesus e aprendem a amar como Ele amou. Vale a pena lembrar a parábola do Bom Samaritano.

Isac disse...

Sábias palavras!

Jesus disse:

"Ame o seu próximo como a si mesmo" (Marcos 12:31)

"Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela" (João 8:7)

Graça e Paz.

Anônimo disse...

Uma coisa moises sei todos os modelos e perfis e mudança de comportamento sempre vai ser o produto do meio.Ainda que psicólogos venham com mudança de gênero e ideologia não tem apoio nos estudos e não são comprovados que alguém nasça sem realmente ter adquirido tal perfil.Quanto aos remanescentes cristãos eles devem realmente se encherem de sabedoria nessa área para lidar com pessoas aversa no seu interior as coisas celestes mas certamente serão moldados pelo oleiro e chegarão ao pleno conhecimento da verdade.